Translate

domingo, 21 de outubro de 2007

Sinfonia dos pássaros

Vera Chvatal

Nada melhor do que deleitar-se, em uma tarde preguiçosa com os sons de uma sinfonia de Mozart, Beethoven, Schubert ou Mahler. As notas musicais se sucedem em movimentos como ondas de um oceano, ora calmas, ora tempestuosas, fazendo vibrar as cordas do coração. Trazendo memórias esquecidas no tempo a música desperta emoções deliciosas, inesquecíveis, conduzindo a alma e a imaginação por caminhos e lugares desconhecidos.

As sinfonias clássicas têm, via de regra, quatro movimentos. Começa com um alegro e depois passa para um movimento mais lento, mais lírico e sonhador que é o adágio. Em seguida vem um movimento mais leve para chegar ao gran finale, rápido, majestoso e, geralmente, apoteótico.

Claro, nem sempre é assim, pois exceções existem para burlar as regras estabelecidas. A Sétima Sinfonia de Sibelius tem apenas um movimento. A Quinta Sinfonia de Mahler e a Pastoral de Beethoven têm cinco movimentos que se sucedem maravilhosamente. E tem as sinfonias inacabadas, mas nem por isso, menos belas. A Oitava Sinfonia de Schubert com dois movimentos é monumental, de uma beleza ímpar.

Mas, por que estou falando de sinfonias? À parte o prazer que elas me proporcionam, dia destes passeando com minhas Labradoras na praça pude desfrutar de uma emoção singular com a sinfonia matinal da passarinhada, que me fez recordar das mais belas sinfonias ouvidas.

Eram seis horas da manhã e o céu azul, sem nuvens, dava um tom outonal à paisagem. O orvalho da noite deixara a relva umedecida e as árvores da praça regurgitavam de bem-te-vis, canários, coleirinhas, pintassilgos, sanhaços e maritacas.

A princípio, me despertou a atenção a algaravia provocada pela passarinhada. Em seguida, por um breve momento, fez-se silêncio longo interrompido por um majestoso bem-te-vi que se pôs a trinar fortemente. De outras partes da praça os demais bem-te-vis responderam em coro. E o som, ora suave, ora mais forte reverberava no ar produzindo ondas de prazer que, através de meus ouvidos, chegavam ao coração.

Os maviosos trinados dos bem-te-vis durou alguns poucos minutos. Fez-se novo silêncio e bandos de canários iniciaram sua performance, acompanhados de alguns bem-te-vis e outros pássaros dando sequência à música que deslizava no ar, junto com a brisa, levemente fria, da manhã. Em tom modulado prosseguiram em seu canto até que, chegando ao gran finale, as maritacas em coro mais rápido, majestoso e apoteótico encerraram a bela sinfonia, magnificamente interpretada, da passarinhada.

Impressionada e com a alma leve e enternecida observei os pássaros em revoada abandonarem a praça. Ficando só com minhas cachorras percebi que lágrimas de emoção deslizavam de meus olhos. Quando se está alerta para as surpresas da natureza e o ritmo da vida, não há momentos sem graça. Senti que aquele maravilhoso concerto fora um presente deslumbrante e inesquecível para celebrar o encantamento do meu dia!

5 comentários:

Karin disse...

Ooooi mãe! Sou eu aqui! Seu blog está muito bonito, não tenho nenhuma sugestão, tô achando tudo lindo! um beijo com saudades!

verapsico disse...

Obrigada, filha!
Que bom que gostou. Também estou com saudades. Bjsssss

Cleide disse...

Vera, que lindo!!! Amei!!! Você acaba de ganhar uma frequentadora assídua. Assim como a Karin, não tenho sugestões, só elogios. E aproveito pra dizer que já presenciei uma sinfonia de pássaros lá em Minas. Começou com uma única currila, que despertou antes da hora. Depois de um tempo era a passarada toda. Eu sei muito bem a emoção que você sentiu.
Um super beijo!!!

verapsico disse...

Oi Cleide!
Obrigada pelo comentário. Somos mesmo felizardas por presenciarmos sinfonia tão bela e emocionante.
Volte sempre!
Bjs, Vera

Anônimo disse...

Lindo o texto Vera...pude por uns momentos voltar no tempo e ver atraves dos seus olhos..belissima descricao...bjs Yeda